A presença do sagrado

Irmã Judette, você afirma que “Como religiosas, estamos sendo chama-das a sermos mais atentas à presença do sagrado na nossa caminhada in-terior, na vida dos outros, e através da inteira criação”. Poderia partilhar conosco algumas sugestões que ajudem a nos conscientizarmos cada vez mais dessa presença do sagrado?

Podemos começar, em meio à nossa agenda lotada, procurar passar alguns momentos em profundo silêncio. Mesmo a simples atitude de prestar atenção ao ritmo da nossa própria respiração, para assim aquietar conscientemente o nosso ser interior, poderia ser um modo de praticar o silêncio.

O mundo é barulhento demais e nós temos a tendência de deixar esse barulho invadir a nossa psique. Para mim, a disciplina do silêncio é muito importante.

Simples exercícios como caminhar silenciosamente, observando a natureza ao nosso redor, podem nos ajudar a expandir nossa capacidade de nos sentirmos unidas à inteira criação – talvez até da mesma maneira que Jesus experimentava a sua união com o mundo, quando procurava lugares silenciosos para orar e comungar com Deus, numa montanha ou num deserto, sob o firmamento e as estrelas.

bosco
arcobaleno

Senti-me muito inspirada por um texto de Albert Nolan, dominicano sul-africano, no qual afirma que para termos plena participação na espiritualidade de Jesus devemos incluir as experiências da nossa união com o universo, uma vez que Jesus experimentou a inteira natureza, que inclui a nós, seres humanos, como criação de Deus. Já São Francisco de Assis havia tido essa mesma impressão, bem como outros santos e pessoas devotas de outras religiões.

Precisamos reler o Evangelho contemplando Jesus a partir da perspectiva do mundo pós- moderno de hoje para descobrir, de uma nova maneira, quais foram os valores e as atitudes de Jesus sobre seus mais fortes sentimentos, sobre as histórias de vida que o afetaram e o influenciaram, sobre o que era importante e memorável para Ele, tudo o que o comovia, e tudo aquilo que Ele amava profundamente.

Em oração, poderíamos por exemplo permitir que Jesus nos contasse as experiências de vida que formaram as suas convicções sobre cada uma das Beatitudes, como por exemplo quando disse: “Felizes os que choram...” Quais foram concretamente as experiências do luto e do pesar em sua vida que lhe deram a profunda certeza de que eles “...serão consolados”?

Atentos à presença do sagrado no nosso cotidiano, podemos abordar esse tema mediante processos psico-espirituais.

O que quer dizer que precisamos continuar procurando o nosso “eu” mais autêntico, aquela pessoa que somos desde que fomos criados e chamados a ser, mas apreciando um pouco mais a complementariedade entre o desenvolvimento humano e o crescimento espiritual.

Precisamos portanto manter-nos abertos a alguns desses processos psico-espirituais, como meios de conhecer e compreender a complexidade do nosso ser interior. Precisamos entrar em discernimento e, ao mesmo tempo, evitar cair na “armadilha da moda”.

Precisamos escolher meios que nos levem a uma maior auto-transcendência e ao crescimento espiritual.

meditazione

Ir. Judette Gallares, RC

Pergunta para Reflexão:

Nas circunstâncias da sua vida, como pode você se tornar mais consciente da presença do sagrado em si mesmo/a, na vida dos outros e em toda a criação?

COMUNIDADE

Entra na comunidade

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

3 banner preghiera pt

4 banner canonizzazione pt

1 banner celebrando pt

2 banner p biblico pt

6 banner donazioni pt

Newsletter